28 janeiro 2013

Doe seu troco - Parceria ChildFund Brasil e Pague Menos

A campanha "Doe seu Troco", parceria do ChildFund Brasil - Fundo para Crianças - com a rede de farmácia Pague Menos, entrou em uma nova fase. Na compra de qualquer produto em qualquer loja da rede de farmácias Pague Menos, você poderá doar o seu troco e contribuir com as crianças atendidas pelos diversos programas do ChildFund Brasil.

Quem entra em qualquer loja da rede, em todo o país, encontra cartazes da campanha e é orientado pelos caixas a fazer sua doação.

Ao fazer sua contribuição, por menor que seja, o cliente está ajudando muito mais do que imagina. E será convidado, ainda, a visitar o site do ChildFund Brasil, onde poderá conhecer o Programa de Apadrinhamento de Crianças e se inspirar a semear ainda mais a solidariedade e a esperança.

Você pode encontrar farmácias Pague Menos por todo o Brasil. 

Doe seu troco, doe esperança, doe transformação. 




25 janeiro 2013

Educação, meio ambiente e medo de animais são as maiores preocupações das crianças

Foi o que revelou a pesquisa divulgada pelo ChildFund Brasil sobre sonhos e preocupações de mais de 6 mil crianças de 47 países 



No final de 2012, foi divulgado o resultado da 3ª edição da pesquisa anual Small Voice Big Dreams – Pequenas vozes, Grandes sonhos, realizada pelo ChildFund Alliance. Foram pesquisadas 6.200 crianças (de 10 a 12 anos) de 47 países em que o ChildFund atua. O objetivo principal do estudo é ouvir das crianças de todo o mundo quais são as maiores preocupações delas.

A pesquisa mostra que que crianças de 10 a 12 anos da África, Ásia e Américas se importam muito com a escolaridade, tem altas aspirações para o seu futuro e já enfrentaram desastres naturais como inundações, secas ou incêndios.

As 6.200 crianças pesquisadas responderam seis perguntas, incluindo, "Se você fosse presidente ou líder de seu país, o que você faria para melhorar a vida das crianças em seu país?" Um em cada dois (50%) dos entrevistados dos países em desenvolvimento disse que melhorariam a educação ou ofereceria maiores oportunidades de geração de renda. Outros 22% supririam necessidades básicas como alimentos, roupas e moradia, esta última foi a resposta mais citada entre crianças de países desenvolvidos (25%).
 
Coerente com sua ênfase na educação, a maioria das crianças nos países em desenvolvimento, quando perguntado o que eles queriam ser quando crescessem, responderam profissões que exigem uma educação universitária, como médico (27%) e professor (24%). 

Pela primeira vez, o estudo incluiu questões relacionadas ao meio ambiente. Foi constatado que pelo menos uma em cada três crianças de países em desenvolvimento já teve alguma experiência com secas (40%), inundações (33%) ou queimadas (30%). A maior preocupação ecológica não foi um desastre natural, mas a crescente ameaça de poluição no meio ambiente. Um em cada quatro entrevistados (26%) citou diversas formas de poluição como o "problema ambiental que mais as preocupam". Paralelamente, uma em cada três crianças (33%) nos países desenvolvidos destacou a poluição como sua maior preocupação ambiental.

Quando perguntados o que fariam para mudar o ambiente em torno da comunidade onde moram, 28% das crianças de países em desenvolvimento disseram que é necessário plantar árvores e construir mais parques. Um número semelhante (29%) das crianças dos países desenvolvidos, disse que a principal prioridade seria reduzir ou parar de jogar lixo em lugares impróprios.

'Pequenas Vozes, Grandes Sonhos’ no Brasil revela preocupação com meio ambiente e medo de ameaças familiares

Os dados do Brasil foram representados por 103 participantes (entre 10 e 12 anos de idade) de 15 organizações sociais parceiras do ChildFund Brasil nos estados de Minas Gerais, Ceará e Pernambuco. Foram 57% de meninas e 43% de meninos. Quando perguntadas sobre o que elas fariam para melhorar a vida das crianças de seu país, se fossem presidentes, a maioria das crianças consultadas, 54%, também responderam que investiriam na educação e proporcionariam oportunidades de geração de renda; 36% proveriam necessidades básicas como alimentação, vestuário e moradia; 20% investiriam na diminuição da desigualdade e na criação de mais postos de trabalho; 19% ofereceriam mais diversão e entretenimento, esportes e recreação; 9% melhorariam a saúde; 7% mudariam as políticas sociais, 4% fortaleceriam a infraestrutura para melhorar o transporte e, apenas 2% responderam que melhorariam a segurança. 

Assim como as crianças de outros países em desenvolvimento, a maioria (23%) dos brasileirinhos também respondeu que desejam ser médicos/enfermeiros ou dentistas quando crescerem, seguida da profissão de professor (16%). Quanto ao problema ambiental que mais as preocupam, assim como as demais crianças do mundo, 37% das crianças brasileiras estão preocupadas com a poluição, 23% com o desmatamento, 12% tem preocupação com a poluição das águas, 5% com saneamento, 3% se preocupam com as alterações climáticas e o aquecimento global, 1% com a destruição em massa ou o fim do mundo.

Sobre desastres que já vivenciaram: 50% das crianças brasileiras entrevistadas enfrentam a seca, 38% enfrentaram ondas de calor, 23% já vivenciaram inundações, 6% enfrentaram queimadas, 2% desmoronamento e 27% disseram nunca terem passado por algum tipo de desastre natural. Sobre o que fariam para mudar o ambiente em torno da comunidade em que vivem, 30% de nossos pequenos eliminariam ou diminuiriam o lixo, mesma atitude de crianças de países desenvolvidos. Outros 21% dos brasileiros melhorariam a infraestrutura, 17% plantariam mais árvores e construiriam mais parques, 6% eliminariam ou diminuiria a poluição em geral, outros 6% investiriam na educação ambiental, 3% fariam mais leis ambientais, também 3% trabalhariam para evitar os incêndios florestais e apenas 1% respondeu que investiria no transporte público para diminuir a circulação de carros.

Uma das jovens entrevistadas foi Tainara Silva Melo, de 11 anos, que mora na vila São João, do município de Moreilândia, no estado de Pernambuco. “As pessoas gastam muita água e, às vezes, cortam os tubos, que levam a água para as casas, para desviá-los para outros lugares. Eu os impediria de fazer isso. Gostaria de fazer também com que parasse de cortar as árvores e jogar lixo nas ruas, porque o lixo deve ser colocado na lata de lixo. Eu gostaria que todos estivessem cientes e respeitassem o meio ambiente”, defendeu Tainara.

Outro dado revelado pela pesquisa é que o maior medo das crianças brasileiras, além do medo de animais, resposta da maioria das crianças do mundo, está relacionado às ameaças familiares (25%). De acordo com o Mapa da Violência 2012 – Crianças e Adolescentes do Brasil, desenvolvido anualmente pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos - Cebela, os números de vítimas de violência domésticas revelam uma realidade preocupante: cerca de 40 mil crianças e adolescentes foram atendidos em 2011, pelo Sistema Único de Saúde - SUS, vítimas de violência doméstica, sexual e/ou outras. Dois de cada três casos tiveram a própria residência como local do ato, sendo o agressor alguém muito próximo. Dos atendimentos realizados, pouco mais de 40% foram por violência física (faixa etária de 1 a 19 anos de idade), 20% por sexual (de 5 a 14 anos de idade), 17% registraram violência moral e psicológica e em 16% dos casos a negligencia e o abandono foi o motivo do atendimento (forte concentração na faixa de 1 a 4 anos de idade).

O Diretor Nacional do ChildFund Brasil, Gerson Pacheco, ressaltou a importância em se ouvir as crianças: “Precisamos ouvir sempre nossas crianças para direcionar os projetos sociais das diferentes regiões do país em que atuamos. A pesquisa nos permite entender o que a criança pensa com relação à comunidade em que vive, revela seus desejos e anseios. No Brasil, assim como em outros países, o destaque foi a preocupação dos pequenos com o meio ambiente e a educação. Porém, o medo das ameaças familiares, registrados em 25% das respostas das crianças brasileiras nos chamou a atenção. Trata-se de um mal silencioso que atinge milhares de lares, mas que buscamos minimizar por meio dos programas que o ChildFund Brasil desenvolve em mais de 800 comunidades no país”, ressaltou Gerson Pacheco. 

A pesquisa Small Voices Big Dreams – Pequenas vozes, grandes sonhos foi realizada pelo ChildFund Alliance de junho a agosto de 2012. O ChildFund Brasil é filiado ao ChildFund International que compõe a rede de organizações do ChildFund Alliance, presente em 56 países e que atua em prol da superação da pobreza infantil no mundo. A pesquisa foi realizada em 47 países e incluiu 36 países em desenvolvimento na África, Ásia e Américas, bem como 11 países desenvolvidos. Um total de 6.204 crianças foram entrevistadas, sendo que 3.665 crianças são de países em desenvolvimento e 2.539 crianças em nações desenvolvidas. Cinco das seis perguntas eram abertas e uma fechada. Todas as respostas traduzidas foram fornecidas a GfK Roper, uma das maiores empresas de pesquisa do mundo. 

Informações completas sobre a pesquisa no site: http://www.childfund.org/dreams2012/
A

22 janeiro 2013

Beach Park inicia campanha “Doe seus créditos” em parceria com a organização social ChildFund Brasil


A arrecadação será destinada às crianças em situação de risco social do Ceará


A partir deste mês, o Beach Park inicia uma parceira de solidariedade junto ao ChildFund Brasil – Fundo para Crianças. Trata-se da campanha “Doe seus créditos” que incentiva os clientes a doarem os créditos restantes do Cartão Consumo Beach Park. Os valores arrecadados serão repassados para o ChildFund Brasil, organização internacional de desenvolvimento presente no país há mais de 46 anos, que atende crianças em situação de exclusão, privação e vulnerabilidade social.

O valor doado não será entregue diretamente à criança ou à sua família, mas investido na execução de projetos sociais de acordo com a necessidade de cada comunidade cearense. Projetos focados na erradicação do trabalho infantil, prevenção de uso de álcool e drogas, luta contra a seca, enfrentamento da violência doméstica, promoção da educação e economia doméstica serão financiados com as doações dos visitantes e turistas e pretendemos beneficiar até 26 mil crianças e adolescentes cearenses em situação de extrema pobreza.

O Beach Park também irá divulgar o “Apadrinhamento de Crianças” para os hóspedes dos resorts. O apadrinhamento é um programa do ChildFund Brasil onde o padrinho se compromete, mensalmente, com uma contribuição mínima de R$ 52 e ajuda milhares de crianças a terem acesso à saúde, educação, alimentação e cultura, por meio de projetos de desenvolvimento social.  Para mais informações sobre o apadrinhamento de crianças:  www.apadrinhamento.org.br

Sobre o Beach Park

Sobre o ChildFund Brasil – Fundo para Crianças


15 janeiro 2013

Cris Guerra lança coleção de sandálias na Couromoda 2013 que beneficiará as crianças do Amazonas


A coleção LoveSandals, assinada pela blogueira Cris Guerra, irá arrecadar fundos para o programa de Apadrinhamento de Escolas no Amazonas, uma iniciativa do ChildFund Brasil e da FAS – Fundação Amazonas Sustentável. O lançamento acontece nesta quarta-feira, dia 16 de janeiro em São Paulo 



Um projeto cheio de surpresas e solidariedade. É sob este status que a coleção LoveSandals, assinada pela blogueira fashionista mineira Cris Guerra, à convite da Amazonas Sandals, será lançada nesta quarta-feira, 16 de janeiro, durante a Couromoda 2013, no Anhembi, em São Paulo/SP. A coleção, por iniciativa da blogueira, firmou uma parceria solidária com o ChildFund Brasil e destinará 1 (um) real, a cada par de sandálias vendido, para o programa de Apadrinhamento de Escolas no Amazonas. “Esta parceria é para que as crianças ribeirinhas possam ter educação de qualidade, sem abandonar as florestas onde vivem”, explicou Cris Guerra, que estará presente no stand da Amazonas Sandals, durante o lançamento.

O programa de Apadrinhamento de Escolas no Amazonas é uma iniciativa desenvolvida pelo ChildFund Brasil – Fundo para Crianças e pela Fundação Amazonas Sustentável - FAS , que une  doadores individuais e empresas para um fundo que aplica recursos no atendimento de necessidades de escolas em comunidades ribeirinhas, localizadas nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável – RDSs de Juma e Uatumã. Além disso, a iniciativa também auxilia na capacitação de professores e na elaboração de material de apoio didático adaptado à realidade do local, contribuindo para melhorar a qualidade da educação em áreas de difícil acesso. Para saber mais, acesse o site: www.apadrinheamazonas.org.br.

Ecologicamente sustentável, a coleção de sandálias assinada pela fashionista mineira traz cinco modelos diferentes que buscam fazer referência aos conceitos particulares de Cris, impressos em seus blogs de moda e em toda a sua carreira de publicitária e mãe. “Com ajuda da querida Mari Guedes, desenvolvemos uma coleção cheia de surpresas – solidariedade é uma delas. As estampas são um resultado do meu universo, que tem elementos diversos: moda, poesia, tatuagem, delicadeza, humor. Sou uma pessoa moderna, mas também sou romântica, tatuada e também clássica, independente e amorosa, leve e intensa”, comentou a estilista.

Sobre o ChildFund Brasil – Fundo para Crianças
Presente no Brasil há mais de 46 anos, o ChildFund Brasil - Fundo para Crianças é uma organização de desenvolvimento social e proteção infantil. O ChildFund Brasil apoia crianças em situação de exclusão, privação e vulnerabilidade social, oferecendo oportunidades para que elas desenvolvam plenamente seu potencial. Desde 1966, a organização atua de forma independente no Brasil e desenvolve programas sociais para superar as causas da pobreza.

A instituição é afiliada ao ChildFund International que foi fundada em 1938 e está presente em 56 países. No Brasil, o ChildFund Brasil atua em 54 municípios, em mais de 800 comunidades nos estados de Minas Gerais, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Amazonas. Aproximadamente 188 mil pessoas são beneficiadas pelos programas sociais da organização, sendo que mais de 108 mil destas são crianças, adolescentes e jovens.

O Programa de Apadrinhamento de Escolas no Amazonas é a mais nova iniciativa do ChildFund Brasil. O programa busca promover educação, formação cidadã e a consciência sustentável para adolescentes e crianças ribeirinhas, os verdadeiros guardiões da floresta. Investimento nas gerações futuras para a conservação da floresta e dos ativos ambientais. A missão é fornecer recursos como a capacitação de professores e, até mesmo, melhorias e construção de espaços para o aprendizado das crianças e adolescentes da região.

Sobre a Fundação Amazonas Sustentável - FAS
A Fundação Amazonas Sustentável - FAS é uma instituição não governamental, fundada em 20 de dezembro de 2007.  Sua missão é promover o envolvimento sustentável, conservação ambiental e contribuir para  a melhoria da qualidade de vida das comunidades, que residem em 15 Unidades de Conservação - UCs do Estado do Amazonas, valorizando as pessoas, os serviços e produtos ambientais. Um dos principais programas da FAS é o Bolsa Floresta - PBF, que é o primeiro projeto brasileiro com certificação internacional para compensar as populações tradicionais e manter os serviços ambientais fornecidos por meio das florestas. Além disso, essa instituição desenvolve programas nas áreas de saúde, educação, monitoramento ambiental, associativismo e geração de renda sustentável em parceria com diversas instituições governamentais e não governamentais. Atualmente, a Fundação beneficia 7.494  famílias, em 541 comunidades, numa área superior a 10 milhões de hectares.


Serviço
Lançamento da coleção LoveSandals por Cris Guerra para Amazonas Sandals

Data: 16/01/2013 (quarta feira)
Horário: 14 às 18hs
Local: Couromoda 2013 - Espaço Amazonas Brands, Parque Anhembi - Pavilhão do Anhembi, situado na Av. Olavo Fontoura, 1.209 - São Paulo/SP.



14 janeiro 2013

O Projeto “Olhares em Foco” promove encontro de jovens da cidade de Medina, no Vale do Jequitinhonha, e estudantes da Soka University of America da Califórnia


O Projeto do ChildFund Brasil – Fundo para Crianças, possibilita, por meio de oficinas de fotografias, o intercâmbio entre adolescentes brasileiros atendidos pela Organização e estudantes americanos


Belo Horizonte, janeiro 2013 - Na cidade de Medina/MG, situada no Vale do Jequitinhonha, acontecerão entre os dias 14 e 22 de janeiro, oficinas de fotografia do Projeto “Olhares em Foco” do ChildFund Brasil, junto à organização social parceira Associação Comunitária do Município de Medina - ASCOMED. Diferentemente da primeira edição do projeto na cidade mineira, ocorrida no segundo semestre ano passado, esta edição contará com a presença de 12 estudantes (de 18 a 22 anos) da Soka University, da Califórnia/EUA, que irão interagir intensamente com jovens e adolescentes (15 a 24 anos) das comunidades de Bidó, Vereda, Tombo e Pedra do Bolo em Medina. Os jovens americanos se instalarão da comunidade da Pedra do Bolo e visitaram todas demais comunidades.

“Os trabalhos serão realizados em grupos, nos quais envolveremos os jovens de Medina e os estudantes da Universidade de Soka, facilitando a valorização cultural e a diversidade entre estes jovens. Será uma troca de experiências: todos aprenderão e todos ensinarão”, afirma o gerente do Departamento de Programas Sociais do ChildFund Brasil e facilitador do projeto em Medina, Dov Rosenmann.

O “Olhares em Foco” é desenvolvido pelo ChildFund Brasil em parceria com organizações sociais em todo o país e tem o objetivo de promover uma reflexão acerca dos espaços de convivência e relações sociais de jovens por meio da autobiografia, família e comunidade. Além de adquirir conhecimentos sobre a fotografia, os jovens têm a oportunidade de expressar o olhar deles sobre o cotidiano da comunidade e refletir de forma crítica sobre o que fotografam. Nas 15 edições anteriores do Olhares em Foco, os mais de 300 jovens beneficiados, têm alcançado maior conhecimento da própria identidade e com isso têm propiciado mais transformação da realidade em que vivem.

Para participar do projeto, os jovens não precisam ter conhecimentos avançados de fotografia. “O importante é capturar elementos que contem uma história significativa” conta Rosenmann.  Os temas a serem trabalhados em Medina poderão envolver relações familiares, cultura local, natureza e temas sociais. No entanto, Rosenmann ressalta que os temas das fotografias são definidos em acordo com as sugestões dos jovens participantes das oficinas.

As oficinas acontecerão na Casinha de Cultura de Medina, outro importante projeto do ChildFund Brasil. “O Projeto Casinha de Cultura de Medina também possui um acervo extraordinário de patrimônio cultural local e esta experiência será uma oportunidade única de investigação deste acervo”, afirma, entusiasmado, Dov Rosenmann. O Casinha de Cultura é uma iniciativa que busca reavivar nas comunidades o prazer e o orgulho de suas raízes culturais, aproximando gerações, por meio de um espaço de encontro e convivência comunitária onde crianças, adolescentes, jovens e adultos encontram estímulo e condições para desenvolver a própria cultura, ao mesmo tempo em que dialogam com novas tecnologias.
Além de participar das oficinas, os estudantes americanos vão doar seis câmeras digitais e um retroprojetor, que utilizarão nas oficinas, para as comunidades participantes do projeto.