30 agosto 2013

ChildFund Brasil, 47 anos transformando vidas!

47 anos, assim parece um número normal, que não diz nada. Mas para o  ChildFund Brasil cada ano, cada aniversário, cada criança amparada, merece e muito serem lembrados.
O ChildFund Brasil existe para as crianças e por causa das crianças. Até por isso nunca podemos nos esquecer do nosso aniversário. As crianças adoram aniversário, adoram cantar parabéns, gostam de bolo e presente também.
No nosso caso o presente é um pouco mais simples: lembre-se das crianças. Se puder ajudar, vamos agradecer muito. Mas o simples fato de tratar bem uma criança, você já ajudará na formação desse pequeno ser humano.
Quando um novo padrinho entra para a nossa família, a gente comemora como um aniversário nosso, das nossas crianças, ou melhor, como um gol, um momento único, de intensa alegria.
Em 1966, o ChildFund Brasil chegou ao país. Muitos das crianças ajudadas naquele período são hoje adultos felizes porque tiveram oportunidades melhores.
Ainda há muito a ser feito. São mais de 8 milhões de crianças, adolescentes e jovens em situação abaixo da linha da pobreza no Brasil. Mas, se você leu este texto e comemorou junto com a gente, parabéns para você também e o nosso muito obrigado!
Esperamos você no nosso aniversário de 47 anos, 48 e em muitos outros. O ChildFund Brasil já beneficia por meio de projetos sociais cerca de 188 mil pessoas, dentre elas 108 mil são crianças, adolescentes e jovens. Para alcançar resultados tão expressivos, o ChildFund Brasil conta com a parceria de mais de 60 organizações sociais, que atuam em mais de 800 comunidades urbanas e rurais.
Hoje o parabéns não é só para o ChildFund Brasil, mas também para todos os padrinhos, madrinhas, doadores, organizações sociais parceiras, funcionários e amigos do ChildFund Brasil que transformam sonhos em realidade!
Viva!!!

28 agosto 2013

Coral Ribeirão de Areia

A comunidade Ribeirão de Areia, em Jenipapo de Minas – MG, é conhecida pela beleza de seu canto. Por isso, em 2011 ela foi escolhida para receber uma oficina de canto/coral, desenvolvida pela AJENAI (Associação Jenipapense de Assistência à Infância), através do programa Ponto de Cultura e parceria com o ChildFund Brasil.


Os participantes da oficina brilharam e transformaram a oficina em um grupo musical encantador. Com muita poesia, beleza, simplicidade e arte, as crianças, adolescentes, jovens e adultos deste grupo vem ao longo desses dois anos proporcionando alegria por onde passam.

O Grupo já se apresentou em São Gonçalo do Rio das Pedras/MG, Francisco Badaró/MG, Araçuaí/MG, em comunidade rurais e na Cidade de Jenipapo de Minas/MG. Em homenagem, respeito e sentimento de pertencimento é que o grupo carrega o nome de sua comunidade e portanto tem o nome de “Coral Ribeirão de Areia”.


Agora o coral dá mais um passo importante e participa do Festival Internacional de Corais, de 01 a 15 de setembro em Belo Horizonte, MG. Seguem abaixo os locais e horários das apresentações:

  • 13/09 às 18:00 no Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro; 
  • 14/09 das 10:00 às 12:00 no Museu Histórico Abílio Barreto; 
  • 15/09 às 10:00 na Igreja São Cristóvão. 


Não fique de fora. Vai ser lindo :)

22 agosto 2013

Encontro "Fora da Escola Não Pode" - Release

Encontro Fora da Escola Não Pode! do ChildFund Brasil trata da educação e reúne mais de 80 pessoas 

A iniciativa teve o apoio do Unicef e colocou em discussão a exclusão escolar no país, com ênfase em Minas Gerais. 

Com poesia, pintura, música, crianças, adolescentes, jovens e informação, assim foi tratado o tema da exclusão escolar durante o “Encontro Fora da Escola Não Pode!”, realizado pelo ChildFund Brasil – Fundo para Crianças nesta terça-feira (06/08) na sede da instituição em Belo Horizonte/MG. (Rua Curitiba, 689, 5° andar, bairro Centro).



O encontro teve o objetivo debater com os gestores da educação mineira e a comunidade, a construção de uma escola atraente e que garanta para criança, adolescente e jovem o direito de aprender. Durante o evento, também foi lançado o livro “Fora da Escola Não Pode! O desafio da exclusão escolar” em BH, uma obra foi desenvolvida pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância - Unicef, com o apoio do ChildFund Brasil. No livro, por meio de desenhos, as crianças atendidas por organizações sociais parceiras do ChildFund Brasil, mostram como seria a escola ideal para elas. Além disso, o livro conta com uma análise da exclusão social no país. 

No início, durante o café, as pessoas foram surpreendidas pelo ‘Cochicho poético’. Com um tubo colorido, educadoras de organizações sociais parceiras do ChildFund Brasil, chegavam até os convidados e os surpreendiam com uma poesia ao pé do ouvido. Quem esteve presente também pode conferir a exposição com os desenhos das crianças sobre a escola dos sonhos delas.



Jovens, atendidos por organizações sociais parcerias, abriram o encontro uma apresentação musical. Em seguida, o gerente da área de Desenvolvimento Humano e Social do ChildFund Brasil, Dov Rosenmann, deu início a uma roda de compartilhamento de informação onde cada criança atendida pela organização pôde falar um pouco sobre a sua escola e sobre a satisfação de ver o seu desenho ilustrado no livro. Para finalizar, a chefe da área de educação do Unicef no Brasil, Maria de Salete Silva, proferiu palestra sobre a “Participação e inclusão da criança e o adolescente no ambiente escolar”.

Oportunidade em que mostrou os números da educação no país, enfatizando a situação em Minas Gerais. Para ela, antes de se discutir ‘ redução de maioridade penal no Brasil’ é preciso repensar e investir na educação. “O que cada um de nós pode fazer para acabar com a exclusão? Toda criança pode e deve aprender, não existe criança que não aprende. É um direito que elas têm. Por isso a pauta estratégica da adolescência brasileira tem que ser a educação e não a redução da maioridade penal. Devemos discutir construção de escola e não de prisão. 
Nós temos o dever de garantir a educação de qualidade na infância e adolescência brasileira, primeiramente, porque sem garantir a educação não vamos garantir nada”, dentre outras abordagens, falou Maria de Salete durante a palestra. 

Realidade brasileira 
A publicação Fora da Escola Não Pode! – O Desafio da Exclusão Escolar indica que, entre os adolescentes que abandonam os estudos, a fase mais crítica ocorre a partir dos 15 anos de idade. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2011, com 6 anos, 95,4% das crianças brasileiras frequentavam a escola. Com 12 anos, a proporção de meninos e meninas que concluíram os anos iniciais do ensino fundamental no Brasil era 76,2%. A porcentagem diminui com o aumento da idade: 62,7% dos adolescentes com 16 anos concluíram o ensino fundamental. Entre os jovens de 19 anos, apenas 48,7% terminaram o ensino médio. O Censo 2010 mostra que o percentual de jovens de 18 a 24 anos que não concluíram o ensino médio e que não estudavam chegava a 36,5%. Mais da metade (52,9%) abandonaram os estudos sem completar o ensino fundamental. Outra questão levantada no estudo é a formação dos professores. Na educação infantil, 43,1% dos docentes não têm curso superior. Nos anos iniciais do ensino fundamental, o percentual é 31,8% e, nos anos finais, 15,8%. No ensino médio, o índice cai para 5,9%. “A qualificação dos professores é uma grande barreira para garantir a oferta de uma educação de qualidade aos estudantes brasileiros”, diz a publicação. Entre grupos específicos, o estudo aponta que as crianças e os adolescentes mais atingidos pela exclusão escolar são aqueles que moram em áreas rurais, os negros, os índios, os pobres, os que estão sob risco de violência e exploração e os com deficiência. Isso indica, de acordo com a publicação, que “as desigualdades ainda existentes na sociedade brasileira impactam diretamente o sistema educacional do país”. 

O livro 
"Fora da escola não pode! O desafio da escola de exclusão escolar", uma publicação do Unicef para a Campanha Nacional do Brasil pelo Direito à Educação, que abordou os principais resultados da pesquisa Small Voices Big Dreams – SVBD (Pequenas Vozes Grandes Sonhos), que o ChildFund Brasil realizada há quatro anos. Bem como a pesquisa SVBD, a intenção do livro é dar voz às crianças para sensibilizar os governos municipais para a importância de melhorar as escolas.

16 agosto 2013

Polo de leitura Ler & Ler


Em Betim, as organizações GRIASC, Ramacrisna, Salão do Encontro e INCAS se uniram para implantar o Polo de Leitura Ler & Ler, que promove ações de incentivo a leitura.
Jamile, a responsável pelo projeto no GRIASC, organização parceira do ChildFund Brasil, nos contou um pouco de como este Polo foi construído e como funciona.
Todas as organizações funcionam em Betim e cada uma tem a sua própria biblioteca para atender e desenvolver projetos específicos para a comunidade da regional onde está instalada.
O GRIASC está na regional do Imbiruçu e recentemente teve uma grande conquista: o espaço de funcionamento de sua biblioteca, antes alugado, foi transferido para o Parque Ecológico Chico Mendes. Este feito se deve ao apoio da regional onde a organização está inserida e de lideranças comunitárias como o Grupo de Amigos do Parque Ecológico.
A biblioteca do GRIASC tem uma média de 350 empréstimos mensais, 1.100 leitores cadastrados e conta com um acervo de grande títulos e autores adquiridos com recursos de convênios e doações. Ali são promovidas atividades de incentivo à leitura como narração de histórias, mediação de leitura, formação de educadores, entre outras.
O Polo Ler & Ler é uma união das forças e ações das quatro organizações em prol de uma Betim mais leitora e culta. As bibliotecas das organizações promovem encontros, seminários e eventos como a Parada Leitora.



12 agosto 2013

Balanço "Fora da escola não pode!"

Discriminação racial, respeito, amizade e carinho são palavras tão simples, mas que fazem parte das esperanças de muitas crianças de instituições municipais e estaduais de ensino. 
Infelizmente existe um abismo entre o que elas esperam e o que é idealizado pelos adultos como sendo o melhor para elas. 
E para criar uma ponte entre essas expectativas foi proposto um debate em torno do livro “Fora da Escola Não Pode!”, publicação do Unicef, e que teve o apoio e participação do gerente de Programas Sociais do ChildFund Brasil, Dov Rosenmann. 
Neste debate foram feitas oficinas com secretários municipais de educação de todo o Brasil e a conclusão é que não se conhece a fundo o mundo prático dos alunos. O estudo foi incrementado com desenhos feitos por crianças e adolescentes, que puderam expressar insatisfações e anseios sobre a escola e a instituição de ensino ideal. Abaixo segue na íntegra a matéria publicada a respeito do evento no Hoje Em Dia.



07 agosto 2013

Ciclo de Palestras Projeto União

Aconteceu no dia 26 de julho, na sede do Projeto União, organização social parceira do ChildFund Brasil, o início de um ciclo de palestras que  será   promovido em parceria com o Serviço Social do Comércio (SESC).
O primeiro tema abordado foi sobre a Saúde da Mulher e os tópicos apresentados durante a palestra foram Métodos Contraceptivos e DST/Hepatites Virais.
A palestra é uma das atividades do Projeto Construindo o Amanhã, desenvolvido em parceria com o Condica – Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. Além de orientar/capacitar os jovens participantes do projeto, e torná-los multiplicadores, o projeto possui entre seus objetivos:

  • orientar e sensibilizar sobre informações e encaminhamentos aos espaços públicos, que garantam a cidadania com dois grupos de crianças e adolescentes, para que sejam multiplicadores cidadãos; 
  • promover debates entre gerações com foco na educação, direitos, cidadania e liderança com crianças/adolescentes e famílias;
  • promover atividades educativas e informativas com famílias e lideranças comunitárias, bem como visitas domiciliares.

06 agosto 2013

Visita especial: madrinha no CONACREJE


A madrinha Flávia, do Rio de Janeiro, foi até o Vale do Jequitinhonha/MG visitar sua afilhada Iaiara na organização social parceira do ChildFund Brasil, Conacreje. 
Acompanhada de uma prima, Flávia chegou às 10hs na organização, foi recebida calorosamente pelo Grupo de Palhaços Os Atrapalhados e pelo Programa Teakwondo, presenciou e participou das atividades cotidianas da organização. Teve uma reunião com o corpo diretor da organização e, mais tarde, levou a afilhada para um passeio, sob a supervisão da equipe do CONACREJE. 


A afilhada de Flávia está numa situação especial de privação, exclusão e vulnerabilidade: sua mãe perdeu sua guarda provisória e hoje a criança mora em um abrigo. 


Isso só ressalta a importância de um padrinho na formação emocional e cidadã dela. E assim como Iaiara, existem várias outras crianças em situações semelhantes. Seja um padrinho ou madrinha e ajude a transformar o destino de uma criança. http://goo.gl/PuOEZe


01 agosto 2013

Fazendo Arte Nas Férias



A Frente de Assistência à Criança Carente, organização social parceira do ChildFund Brasil tem um grupo de jovens muito especial: chamado Juventude Positiva, o grupo é composto por jovens a partir de 12 anos que se comprometem a promover uma colônia de férias para as crianças de 06 a 11 anos. 
Nesta colônia, além de fazerem um rodízio de atividades como dança, artesanato, artes plásticas e oficinas de esportes, as crianças são recebidas a cada início de dia num momento chamado Acolhida. 
Nesta Acolhida o tema da colônia é abordado com as crianças, conscientizando-as sobre a realidade da violência infantil. Portanto, assuntos como a violência sexual, agressão física, verbal e todo o tipo de violação dos direitos das crianças são tratados abertamente num debate chamado “Eu não tenho medo do bicho papão”, e os pequenos são incentivados a enfrentar os agressores denunciando-os. 
É uma oportunidade de manter as crianças entretidas no período das férias escolares, trabalhando a criatividade, o lado cidadão ciente de seus direitos e possibilidades e gastando a energia de forma positiva durante o dia.