17 outubro 2013

17 de Outubro – Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza

“Pobreza é fome, falta de abrigo. É estar doente e não poder ir ao médico. É não poder ir à escola, não saber ler, não ser capaz de falar corretamente. Pobreza é a perda de uma criança por doença trazida pela água contaminada. É impotência, falta de representação e liberdade”

As palavras acima nos fazem refletir sobre a pobreza no seu mais genuíno significado. Elas são de Deepa Narayan, ex-consultora sênior do Grupo de Redução da Pobreza do Banco Mundial. O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, marcado para 17 de outubro, é um bom momento também para refletir sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – ODM, chamados no Brasil de “8 Jeitos de Mudar o Mundo”. A primeira dessas metas é exatamente erradicar a extrema pobreza e a fome no mundo.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Pnud afirma que o Brasil já superou o objetivo de reduzir pela metade o número de pessoas vivendo em extrema pobreza até 2015: de 25,6% da população em 1990 para 4,8% em 2008. Mesmo assim, 8,9 milhões de brasileiros ainda tinham renda domiciliar inferior a R$ 2,75 por dia até 2008. De acordo com o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, atualmente, mais de 12 milhões de pessoas ainda vivem abaixo da linha da extrema pobreza (famílias que vivem com até R$ 70,00 mensais). Dessas, 8 milhões são crianças. É um número alto, e cruel em suas consequências.

O ChildFund Brasil há 47 anos combate a pobreza extrema, contribuindo para a erradicação completa dessa situação. Em mais de quatro décadas, a organização presenciou que a pobreza extrema destrói a vida e o espírito de pessoas, é mais culpada pela morte de crianças, jovens e adultos que qualquer guerra e, todos os dias, pessoas que vivem nesta situação encaram o desafio e a ameaça da falta de comida, de abrigo e de acesso a serviços essenciais. Com um trabalho intenso em comunidades que vivem sob risco social, o ChildFund Brasil presenciou alguns bons resultados nas regiões Sudeste e Nordeste do país.

O Centro Social de Orós – CSO é umas das organizações sociais parceiras do ChildFund Brasil e atua na cidade de Orós, no Ceará. Segundo o Censo 2010, a pobreza no Norte e Nordeste do Brasil é mais intensa, apesar dos avanços dos últimos anos.  Nessa situação, as crianças são as maiores afetadas e enfrentam deficiências básicas de alimentação, moradia, nutrição, saúde e educação.


Em 1998 surgiu a metodologia Animador Comunitário do ChildFund Brasil, para promover a capacitação continuada de líderes comunitários voluntários. Desde então, os animadores comunitários recebem capacitações para entender os contextos sociais, culturais e políticos em que vivem e estimulam nas pessoas a vontade de aprender. Eles orientam as famílias assistidas na construção de soluções para suas necessidades, noções básicas de saúde e estimulam o acompanhamento da educação dos filhos, a participação em projetos sociais e ações que possam influir em políticas públicas e provocar mudanças sociais expressivas. "O voluntário é um líder social na comunidade, que contamina os outros com este espírito e os traz para nossa rede do bem", disse Maria Faustino, 51 anos, 15 deles dedicados a esse trabalho voluntário.


Assim, os voluntários conseguiram resultados satisfatórios em Orós como a redução do índice de mortalidade infantil, taxa de 100% de cobertura de vacinação, redução da desnutrição infantil, conhecimento sobre Terapia de Reidratação Oral - TRO e Infecção respiratória Aguda – IRA, alto índice de aprovação escolar, redução da evasão e analfabetismo. "Sou animadora comunitária há 10 anos. A minha maior realização foi ter ajudado na recuperação de uma criança desnutrida", revela Maria Lúcia Carneiro, 68 anos.



De acordo com a gestora do CSO, Socorro Costa, por meio das formações mensais, os voluntários despertaram para conquistas de melhoria de vida. Muitas pessoas passaram estudar e se formaram em Pedagogia, História, Administração, entre outras áreas; alguns hoje exercem funções na área de saúde, muitos são funcionários públicos e trabalham no município e cidades vizinhas. “Tudo isso é exemplo e incentivo para as nossas crianças, evitando que elas permaneçam em situação de pobreza”, acredita Socorro. Com a execução dos projetos do ChildFund Brasil em Orós, o Centro tem conquistado muitas vitórias ao longos dos anos, mas segundo Socorro há muito a ser feito. “Essa luta continua até os dias atuais, onde fazemos uma culminância no dia 17/10 de cada ano, dos nossos trabalhos realizados em prol do fortalecimento desta causa”, diz a gestora.

0 comentários:

Postar um comentário