11 outubro 2013

Histórias de Transformação – Marinalva Soares

Quando você apadrinha uma criança, você ajuda a transformar vidas. Conheça a história da Marinalva Soares que foi apadrinhada pela organização social parceira do ChildFund Brasil, Associação Rural de Assistência à Infância –Arai em Berilo/MG. Marinalva recebeu todo o incentivo dos seus padrinhos para estudar e atualmente é Doutora do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. Veja o belo depoimento que ela nos mandou para mostrar como o simples ato de apadrinhar é possível transformar sonhos em realidade.



Sou Marinalva Soares, tenho 37 anos e já fui apadrinhada pelo ChildFund Brasil, por meio da Associação Rural de Assistência à Infância – Arai, da cidade de Berilo/MG. Na época eu morava no distrito Vila Santo Izidoro, Zona Rural de Berilo, em uma casinha simples de tijolos com quatro cômodos.

Aos 7 anos de idade, juntamente com minha família (mãe, pai e irmão), me mudei para a cidade de Berilo e tive que ser desligada do Programa de Apadrinhamento, porque na época, qualquer criança que se mudava da Zona Rural para a cidade era desligada do Programa.

Conheço o trabalho do ChildFund Brasil, o Apadrinhamento de Crianças e acho o trabalho espetacular. A pessoa que me apadrinhou ficaria muito feliz em saber o meu trajeto. Antes de iniciar meus estudos, tive uma experiência na organização social parceira, Arai. Fui monitora de correspondência, guardo ótimas recordações e foi uma experiência para a vida inteira.
Apesar de todas as dificuldades e pobreza, consegui cursar uma faculdade e, em seguida, o mestrado na Universidade de São Paulo. Nessa época eu morava no estado de São Paulo e foi quando eu também me casei. Após o mestrado, dei aulas por seis anos em quatro universidades nas cidades de Governador Valadares/MG, Formiga/MG, e Ribeirão Preto/SP, cidade esta onde tive meu primeiro filho.
 
Saí de Ribeirão Preto, para morar em São José dos Campos e cursar meu doutorado no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, onde trabalho atualmente na área de controle de satélites. Toda a minha formação foi voltada para a área de Ciência da Computação.
 Gostaria de poder contar tudo isso para minha ex-madrinha, tenho clara na minha memória a lembrança do rosto dela, que tinha o cabelo curto, preto e um lindo sorriso. Quando apadrinhada, me lembro de participar de muitas brincadeiras, mas o que mais me marcou foi o estímulo aos estudos por meio das cartinhas. . Sempre gostei de estudar, mas houve muito incentivo da minha madrinha. O Apadrinhamento foi importante pra mim por causa deste estímulo. Porque falar que existiu o estímulo por parte dos pais que viviam em extrema pobreza é mentira. Este estímulo veio mesmo por parte dos padrinhos, por parte dos projetos da Arai. Pude sentir isso quando fui apadrinhada e quando trabalhei na Arai, quando vi de perto como este incentivo aos estudos era importante para as crianças apadrinhadas. Hoje, é notório que a conscientização familiar com relação aos estudos é maior, mas naquela época, naquele cenário, não era.

Com base na minha própria experiência eu acredito muito no Programa de Apadrinhamento de Crianças, no trabalho realizado pelo ChildFund Brasil e organizações sociais parceiras e, em breve, me tornarei madrinha.

1 comentários:

maricelia cassiano disse...

Muito Linda sua Historia

Postar um comentário